sexta-feira, 21 de maio de 2010

Livraria Sodiler: mantenha distância!



Geraldo de Majella

O fim das livrarias em Maceió foi decretado. Restam poucas, sete apenas. Quatro pertencem à rede Nossa Livraria Editora, de Pernambuco, duas são do conglomerado nacional Laselva/Sodiler e uma da Editora da Universidade Federal de Alagoas (Edufal).

Há em Alagoas inúmeros escritores e não seria possível afirmar quantos são. Mas certamente já ultrapassa a casa dos quinhentos escritores. São poetas, contistas, romancistas, memorialistas, historiadores, sociólogos, juristas, antropólogos, cientistas sociais e políticos, geógrafos, arquitetos, agrônomos, teatrólogos, músicos − para ficar apenas nessas áreas.

No entanto, a Livraria Sodiler desconhece olimpicamente a existência dos escritores alagoanos. O escritor alagoano está vetado nas livrarias da rede Laselva/Sodiler.

No domingo, dia 2 de maio, fui ao Maceió Shopping e me dirigi à Livraria Sodiler. Qual não foi a minha surpresa, encontrei numa prateleira destinada a escritores regionais algo em torno de 15 autores alagoanos, que faço questão de nominar: Divaldo Suruagy, Hidelbrando Gentil de Oliveira, Alfonso Dacal, Kátia Oliveira, Ivanksuel Amorim, Miriam Rodrigues, Solange Lages, Devis Melo, Roberval Davino, Vinicius de Paula, Maria de Lourdes do Nascimento, Silvio Teles, José Coelho Neto e Sheila Malta Amorim.

Os autores citados são autores alagoanos ou residem aqui e não deveriam estar na categoria dos escritores regionais.

Dirigi-me a um dos funcionários e perguntei se na livraria tinha algum livro de Graciliano Ramos, Jorge de Lima ou Lêdo Ivo. Depois de consultar a listagem no computador, veio a resposta, lacônica:

− Não temos.

Fiz mais uma pergunta:

− Há previsão de quando esses autores estarão à venda?

− Não, não há, senhor.

Para finalizar, arrematei:

− Tem o dicionário do Aurélio?

Novamente o funcionário pesquisou na listagem do computador.

− Infelizmente, não temos, senhor.

Agradeci e fui embora tomar um café, boquiaberto com a inusitada situação.
O que devemos esperar de uma rede de livraria que não dispõe de uma obra sequer de quatro grandes escritores da literatura e da língua portuguesa?

É notória a intenção – no meu entendimento − de burlar a lei municipal, de autoria do vereador Silvio Camelo, que estabelece um percentual mínimo de 10% de autores alagoanos a serem comercializados nas livrarias de Maceió.

Leitor, amigo, mantenha distância da livraria Sodiler!

9 comentários:

  1. majella, lamentavel é perceber que os investimentos empresariais sao so na rede de comida, a comida intelectual, humana e emocional que é a leitura nao acontece, bom esperemos que a livraria saraiva ,em breve, apareça aqui,
    bjos

    ResponderExcluir
  2. Impressionante...
    Majela, quanta saudade do livro sete e a caetés.
    Parabéns pela pesquisa e informação.
    Venho sempre aquí, seu Blog é maravilhoso.

    ResponderExcluir
  3. esta livraria é horrivel, pricipalmente no atendimento.acho que eles realmente não querem vender nada.marta melro

    ResponderExcluir
  4. Ronaldo Seggiaro21 de maio de 2010 18:04

    Vamos "detonar" essa atitude imbecil da Sodiler em todo o Brasil. Até hoje fui cliente. Não sou mais.

    ResponderExcluir
  5. Não se admire se um dia um beija-flor invadir a porta da sua casa te der um beijo e partir.
    Fui eu que mandei o beijo

    ResponderExcluir
  6. Voces já pensaram na Livraria da Travessa? Aqui no Rio ela saiu de Ipanema e esta chegando ao Shopping. Será que não tem nenhum empresário aí, da santa terrinha, que queira investir?

    ResponderExcluir
  7. aciolijunior@yahoo.com.br26 de maio de 2010 15:47

    as vezes penso se foi legítimo a emancipação de Alagoas, as vezes não tem graça conta-la." São essas coisinhas miúdas".... que marcam nossa terra. Viva os poetas, cronista e outros bichos do reino, que resitem. Tofeuuuuuuu.

    ResponderExcluir
  8. A Sodiler além de não dispor de obras de autores alagoanos,cobra muito caro pelos livros que vende,o que é uma lástima.

    ResponderExcluir
  9. Seria importante que o olhar dos professores mude e ensine o prazer de ler a essa nova geraçao, para que no futuro as grandes redes de livrarias, sintam orgulho em se instalar numa terra tão especial como Alagoas.
    Lembrando que a iniciativa da Livro Lido no estado foi anterior a lei e sempre recebemos com muito carinho os autores e livros alagoanos, proporcionando alguns lançamentos e divulgando o trabalho nao so no estado como no Brasil.
    Parabéns Alagoanos aqui tem trabalhos com muita qualidade!
    Nao posso deixar de citar o Sr Francisco Reinaldo Amorim de Barros que escreveu senao a maior uma das melhores obras de referencia do estado. Ele percorreu pessoalmente e por iniciativa propria os interiores alagoanos e distribuiu gratuitamente exemplares para enriquecer ainda mais as bibliotecas do estado e ao contrario do que se esperava o reconhecimento veio de muito longe.

    Um gde abco a todos!

    ResponderExcluir